Portal   saude   musica   fotos   mulher   forum   turismo   videos   auto   imóveis   leilões   classificados  

Morangos e mirtilos podem reduzir risco de ataque cardíaco em mulheres

Substância presente nessas frutas ajuda a dilatar as artérias e reduzir a formação de placas.
Comer morangos e mirtilos (blueberries) pelo menos três vezes por semana pode diminuir o risco de ataque cardíaco em mulheres. No estudo, publicado nesta segunda-feira no periódico Circulation, da Associação Americana do Coração (American Heart Association), pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, e da Universidade da Ânglia Oriental, na Inglaterra, encontraram uma redução de quase um terço no risco de ataque cardíaco em mulheres que consumiam essas frutas regularmente.
A explicação seria o fato de que morangos e mirtilos contêm quantidades elevadas de flavonoides, composto com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, que também pode ser encontrado em outras frutas, como uvas e amoras, e em legumes como a berinjela.

Um tipo de flavonoide denominado autocianina (pigmento relacionado às cores vermelho, roxo e azul) pode ajudar a dilatar as artérias e reduzir a formação de placas responsáveis por reduzir o fluxo sanguíneo.

Pesquisa – O estudo foi realizado com 93.600 mulheres de 25 a 42 anos, que completaram questionários sobre seus hábitos alimentares a cada quatro anos, durante 18 anos. Nesse período, ocorreram 405 ataques cardíacos no grupo que participou da pesquisa.

As mulheres que consumiam mais morangos e mirtilos apresentaram uma redução de 32% do risco de terem um ataque cardíaco, em comparação com aquelas que consumiam essas frutas uma vez por mês ou menos – mesmo as que tinham uma dieta rica em outras frutas e verduras.

Para Eric Rimm, integrante do grupo de pesquisadores, esse resultado mostra que mudanças simples na alimentação podem ter impacto significativo na prevenção de doenças. O estudo, porém, não leva em consideração outros fatores de risco, como idade, pressão arterial, histórico familiar de ataque cardíaco, índice de massa corporal, exercícios e tabagismo. (veja.abril.com.br)

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*
*